Coluna Aparte – Teoria Klamt – Othelino Neto

Iniciamos uma série de teorias alimentando as análises das conjunturas e figuras políticas, tentando entender o hoje em relação ao amanhã para absorver o poder municipal, estadual e nacional.

Evidente que o deputado estadual Othelino Neto (Solidariedade) trata a política como assunto de gente adulta, sempre preocupado em aumentar o espaço de fixação da sua cerca no poder. Jamais o pouco nas linhas da história será satisfatório na trajetória para o parlamento e executivo. Jogador apurado na estratégia e logística, permitiu a leitura da necessidade em manter a convivência pacifica, ou não, com aqueles que ocuparam, ocupam, e, principalmente, podem ocupar as lideranças, gestões ou mandatos. Sempre pisando com os dois pés, sem ferir as cordas vocais.

Para os satisfeitos tudo é demais quando ocupam secretarias no estado ou municípios, imagina exercer seguidos mandatos de deputado estadual e na presidência da Assembleia Legislativa do Maranhão, multiplicado ao divino presente de oito anos no Senado Federal para a esposa, um partido solidário para a irmã e a missão de ser o principal porta-voz do grupo do ministro Flávio Dino (STF) no Maranhão. Será que faltou algo na aguçada relação?

Sem alongar a conversa, atualmente a fala e publicações do deputado tenta incomodar o Palácio dos Leões. Sem respostas, nem do líder do governo, Neto Evangelista (UNIÃO). Mesmo assim, mantém o tom e a embocadura nas denúncias, nem deixando a água ferver, botando logo outra panela no fogo. Salutar acreditar na linha combinada com o chefe!

Questionam onde quer chegar o preparado parlamentar!? Revisando o mapa das possibilidades eleitorais em 2026 podemos ousar em criar a teoria de um casal como senadores pelo Maranhão. Impossível? Jamais! Tivemos o Sarney e a filha Roseana (ambos MDB). Lembrando do casal Maranhãozinho (PL) na Câmara de Deputados.

Reservado na banca das negociações o cargo de vice e a outra vaga de senador com o Dino querendo o seu predileto Felipe Camarão (PT) na cadeira de chefe do executivo estadual. Deixando como compensação, caso o governador Brandão (PSB) não resolva ficar no mandato até o dia 31 de dezembro de 2026. Será que vai ser aplicado na prática?

  • Coluna Aparte publicada nas segundas-feiras, na página Política, no jornal O Imparcial.
  • Charge do genial Nuna.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *