Pensando por nós?

Definitivamente os seguimentos de representação de classes como OAB e associações de juízes e de policiais, sem esquecer linhas religiosas, perderam a noção da função e de importância como interlocutores da população. Todos esses grupos falam e assinam declarações expressando o que cidadão comum deveria pensar sobre a crise instalada no meio político para a simples disputa do poder. Advogados servem somente quando temos uma causa e contratamos. Juízes, ministros e policiais esquecem o papel de funcionário público, mesmo graduados, são empregados, sem direito a pensar por uma nação. Quanto às igrejas, tem de todo tipo e cores para escolhermos, somente sobrevivem de quem paga o dízimo, jamais de virar púlpito eleitoral.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.